laboratórios

SindHosp amplia discussão sobre transformação digital na Saúde

Agendar consultas on-line, conversar com o médico por videochamada e ter acesso a receita digital são algumas das transformações digitais na Saúde que foram aceleradas pela pandemia da Covid-19.

Esse é o tema central para os dois eventos que o SindHosp organiza no mês abril. Em parceria com a Deloitte, Dasa e a You Care, são esperados grandes executivos e referências do mercado que vão abordar o que há de mais atualizado no setor referente a esta temática.

Na rotina dos últimos dois anos de hospitais, clínicas e laboratórios, processos foram automatizados, a tecnologia de inteligência artificial foi uma aliada para o enfrentamento ao Coronavírus e a preocupação com a experiência do paciente foi também considerada além do formato presencial.

Embora tenha possibilitado oportunidades, essa jornada da nova era digital merece ser observada com profundidade. Aproveite essas duas oportunidades gratuitas de dialogar sobre o assunto!

Transformação Digital é o tema do primeiro evento do mês

No dia 26 de abril, o SindHosp convida para uma Conversa Aberta sobre Transformação Digital, o sócio-líder para a indústria de Life Sciences & Health Care da Deloitte, Luis Fernando Joaquim e o Gerente de Health Analytics na Dasa, Thiago Sato.

Atentos aos movimentos do mercado, os palestrantes compartilham experiências e esclarecem dúvidas ao vivo sobre relacionamentos em tempo real, as novas inovações do modelo de cuidado e antecipam: há evidências claras que o investimento em transformação digital compensa em termos de receita líquida futura.

As inscrições gratuitas para assistir ao evento já estão liberadas. Garanta a sua participação!

Marketing Digital pode ajudar empresas da saúde a crescer

É o que garante a sócia proprietária da You Care, Daniela Camarinha, que ministra o último evento do mês de abril, no dia 28. Das 15h às 16h30, o webinar se propõe a atualizar os gestores e a equipe de marketing dos prestadores de serviços de saúde sobre as novas oportunidades e desafios da área.

A palestrante confirma que a transformação digital é imprescindível para a evolução do marketing. Por isso, acompanhar os dois eventos proporcionará uma perspectiva completa que agregará ao modelo de negócios de hospitais, clínicas e laboratórios.

O SindHosp convida todas as empresas a inscreverem seus colaboradores neste evento sobre marketing digital na Saúde.

Novos temas e referências do segmento estão sendo convidados para conversar com a sua equipe. Acompanhe a programação em nossa homepage.

Nota técnica aos laboratórios

Ciente do aumento pela procura de testes para Covid-19 e acompanhando as ações de fiscalização desempenhadas pelo Procon-SP em conjunto com a Secretaria de Estado da Saúde, o SindHosp apresenta aos laboratórios de São Paulo indicações para gestão de crise em três tópicos fundamentais. São eles:

1º passoPreparar a estrutura do laboratório para receber as autoridades.

– Selecione uma sala adequada para atendimento aos órgãos, com privacidade, silêncio e organização, assim como providenciar que os agentes sejam devidamente atendidos por gestores responsáveis em condições de prestar esclarecimentos objetivos sobre os questionamentos feitos.

2º passo: Para responder aos questionamentos, treine uma parcela ou responsável de sua equipe, em especial os responsáveis pela gestão financeira do laboratório, que possa estar munida das informações e documentos necessários.

– Estão sendo exigências pelo Procon-SP e pela Secretaria de Estado, a comprovação por notas fiscais e venda ao consumidor sobre os preços praticados em 2021 e 2022, especialmente entre os meses de novembro/21 a janeiro/22. Portanto, antecipe a disponibilidade desses documentos, facilite o acesso e a comunicação interna.

3º passo: Providenciar informações como critério de atendimento e agendamento, justificativa para elevações de preço e funcionamento do estoque. 

– Porcentagens que apresentem o aumento ou diminuição de valor cobrado também podem auxiliar na fiscalização. Em casos em que o laboratório tiver elevado o preço sobre os testes, é necessário esclarecer a razão, como valor do preço de compra, apresentando documentos emitidos pelos fornecedores, por exemplo.

Nesse momento em que é desempenhada essa força-tarefa por meio dos órgãos responsáveis, é fundamental a colaboração de todos os laboratórios do estado para fornecer as informações e documentações solicitadas pelos fiscais, contribuindo, assim, com as análises necessárias, a fim de afastar qualquer suspeita de abuso dos laboratórios em prejuízo da população, decorrente do aumento repentino de demanda por exames relacionados emergência sanitária atual.

O SindHosp se coloca à disposição dos laboratórios de São Paulo para auxiliar em futuras necessidades e indica, nesse momento em que a provisão dos testes é tão estratégica para a contenção do vírus, o uso racional dos testes de diagnóstico para Covid-19, seguindo as recomendações emitidas pela OPAS/OMS em alerta epidemiológico, disponível em nosso site para conferência.

Doutor Luiz Fernando Ferrari Neto
Vice-presidente e Coordenador do Comitê de Laboratórios do SindHosp

88% dos laboratórios privados no estado de São Paulo enfrentam problemas para reposição de testes para Covid-19 e Influenza

Dado foi apurado em pesquisa do SindHosp – Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo junto a uma amostra de 111 laboratórios privados, na semana de 10 a 14 de janeiro. 

A pesquisa constatou que houve aumento nas testagens para Influenza em 92% dos laboratórios nos últimos 15 dias e aumento de testagem para Covid-19 em 99% dos serviços de saúde nesse mesmo período. 

O crescimento dos testes para Covid-19 teve aumento de 100% em 92% dos laboratórios, e de 501% a 1000% em serviços de algumas regiões do interior como Jacareí e São José do Rio Preto.

A corrida dos pacientes aos laboratórios para testes provocando aumento de atendimento muito maior que a capacidade de testagem pode provocar desabastecimento. 

Na amostra pesquisada, mais da metade dos serviços de saúde declarou possuir estoque de testes para Covid e Influenza para menos de 7 dias e 22,5% dos laboratórios possuem estoque para 15 a 21 dias, sendo que a maioria desses laboratórios encontra-se no interior.

Segundo o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp, a situação pode repetir o que aconteceu no ano passado, quando a variante Delta da Covid-19 levou à superlotação dos hospitais, provocando falta generalizada de materiais, medicamentos e até oxigênio.

 “Não há previsão de prazo para saber até quando poderemos manter o atendimento laboratorial nesses níveis tão elevados, pois os estoques variam muito entre os laboratórios e as regiões, sendo que o desabastecimento atinge mais rapidamente pequenos e médios laboratórios, já que as grandes redes possuem maior capacidade de compra e de estocagem”, explica.

Para Luiz Fernando Ferrari, coordenador do Comitê de Laboratórios do SindHosp, a pesquisa também constatou que predomina a faixa etária de pacientes de 30 a 50 anos nos testes positivos de Covid-19. 

No levantamento, 75% dos laboratórios informaram utilizar o teste PCR e 25% o teste rápido /antígeno. 

73% dos laboratórios afirmaram no levantamento que podem oferecer a possibilidade de realizar testes de sequenciamento genético para diferenciar a variante do coronavírus desde que esse pedido seja feito pelos pacientes.

Para o presidente do SindHosp, Francisco Balestrin,  é imprescindível que a população continue se vacinando em massa e que não abandone as medidas de segurança à saúde: máscara, higienização das mãos e distanciamento social.

Scroll to Top