GT de Gestão de Pessoas trata dos desafios de liderança em tempos de adversidade

Compartilhar artigo

O Grupo Técnico de Gestão de Pessoas do SindHosp realizou neste mês de abril seu segundo encontro do ano. A reunião teve como tema “Os Desafios da Liderança em Tempos de Adversidade”. O coordenador do GT de Gestão de Pessoas, o médico Thiago Constancio, convidou o professor Fabrizio Rosso, sócio-diretor executivo da consultoria Fator RH, para falar sobre o assunto. “Tivemos uma manhã altamente produtiva e esclarecedora”, avaliou Constancio.

Para o professor Fabricio Rosso, o GT é uma iniciativa muito importante do SindHosp. “Criar um grupo técnico para falar de Recursos Humanos é fundamental e, quanto mais pessoas se somarem a esse grupo, melhor para o setor da saúde como um todo”, destacou o convidado.

Para fazer parte de um dos Grupos Técnicos do SindHosp, clique aqui.

O GT de Gestão de Pessoas se debruçou fundamentalmente sobre uma pergunta que estabelece uma correlação entre liderança e resultado: “Como desenvolver a liderança do meu hospital para que ela possa realmente fazer a diferença e entregar resultado, sobretudo em momentos difíceis?”. Segundo Rosso, não existe atalho. “O que existe é método. Sem método, o resultado é aleatório. Hoje, funciona, amanhã, não funciona”.

Método e Pessoas

O convidado do SindHosp falou da importância de se mostrar aos líderes que existem métodos de gestão, e escolher um método, seja para o RH, seja para a supervisora de enfermagem dentro do centro cirúrgico, por exemplo. “Esse é o primeiro passo para profissionalizar os resultados de que precisamos em um momento de dificuldade”, sugeriu o professor.

Na prática, enfatizou Rosso, quanto mais dificuldade um estabelecimento de saúde tem, mais líderes preparados ele precisa. “Não dá para transpor um obstáculo gigante se não aprendemos a como escalar, como superar, esse obstáculo”, ensinou o convidado do GT de Pessoas.

O professor explicou que não se pode renunciar a dois elementos em liderança: métodos e pessoas. “Se tenho método, ou seja, se tenho ferramentas de gestão, se tenho modelos de competência, se tenho avaliação de desempenho, e se tenho um olhar para pessoas, ou seja, se tenho conversas inspiradoras, se trabalho feedback, se reconheço os avanços das pessoas, eu consigo resultados de médio e longo prazos muito superiores”, destacou Fabrizio Rosso.

Em resumo, Fabrizio Rosso defende que a gestão de RH não se restrinja a 20 pessoas no setor de Recursos Humanos, mas, sim, que a gestão de RH seja realizada por 200 pessoas dentro da instituição. “Cada líder é um gestor de pessoas”, sustentou o professor.     

“Se tenho método, se tenho ferramentas de gestão, se tenho modelos de competência, se tenho avaliação de desempenho, e se tenho um olhar para pessoas, se tenho conversas inspiradoras, se trabalho feedbacks, se reconheço os avanços das pessoas, eu consigo resultados de médio e longo prazos muito superiores”

Professor Frabrizio Rosso

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

Livro Vírus Mortal é lançado durante a Hospitalar

O livro “Vírus Mortal: Os Hospitais Privados Paulistas, o SindHosp e a Pandemia da Covid-19”, que teve seu pré-lançamento durante evento em homenagem ao SindHosp na Câmara Municipal de São

Curta nossa página

Siga nas mídias sociais

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

error: Conteúdo protegido
Scroll to Top