IV COMINCO aborda cirurgias de coluna

Procedimento é feito de forma minimamente evasiva

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Congressos são mais do que atualização médica. São oportunidade de produção e compartilhamento de novas técnicas, tecnologias e terapêuticas. Por meio deles os médicos podem modificar, aprimorar ou transformar a forma de lidar com cada tipo de doença. Neste ano, São Paulo recebe um evento que promete trazer justamente o aprimoramento necessário para quem precisar passar por uma cirurgia de coluna: o Congresso Brasileiro de Cirurgia e Técnicas Minimamente Invasivas da Coluna Vertebral (IV COMINCO), que ocorre entre os dias 31 de julho e 02 de agosto, no WTC Brasil. 
 
Os problemas de coluna estão no topo da lista de doenças mais importantes em adultos com menos de 45 anos, isso por que é potencialmente a mais debilitante, pois coincide com a fase de produtividade do indivíduo. O tratamento, na maioria dos casos, é medicamentoso; mas pelo menos em 5% deles é necessário recorrer à cirurgia. Atualmente, o principal procedimento cirúrgico ainda assusta muita gente. A agressividade das técnicas convencionais, bem como a demora na recuperação e os riscos envolvidos, levam muitas pessoas a hesitarem ou desistirem de passar por esse tipo de operação. Porém o conjunto de técnicas conhecido como Cirurgias Minimamente Invasivas podem ser de grande auxílio nesses casos, na medida em que promete causar menores agressões ao organismo.
 
O ortopedista e presidente do IV COMINCO, Wilson Dratcu, explica que esses procedimentos podem trazer mais segurança e eficiência ao paciente. “A redução no tamanho da incisão, a possibilidade de poupar estruturas não comprometidas, entre outras vantagens, diminuem o porte da cirurgia produzindo menos sangramentos, dor e exposição a microrganismos que podem causar infecção. Além disso, o tempo de internação diminui consideravelmente, bem como a recuperação”, explica. Muitas Cirurgias Minimamente Invasivas podem ser realizadas sob anestesia local e reduzem em até 50% o tempo de cirurgia e 30% o de internação. 
 
No entanto, a comunidade médica ainda enfrenta resistência das operadoras de saúde. A principal alegação é que esses procedimentos são caros . “Isso se deve ao fato de que a maioria das administradoras de planos de saúde calcula o custo por procedimento e não por gestão”, analisa o presidente da Comissão Executiva do IV COMINCO e presidente do grupo de Cirurgias Minimamente Invasivas do Hospital Beneficência Portuguesa, Pil Sun Choi. No entanto, os médicos que defendem a cirurgia alegam que no custo-benefício ela é mais vantajosa para os pacientes, para os médicos, para os planos de saúde e hospitais e para a economia do país. 
 
O Brasil tem avançado muito, nos últimos anos, na implantação dessas técnicas em hospitais do País. A World Federation of Minimally Invasive Spine Societies, que congrega as lideranças mundiais na área de Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna, conta com a liderança de brasileiros a frente da Diretoria Executiva da Federação. Eles foram responsáveis pela criação e consolidação desta entidade. Neste ano o IV COMINCO receberá cirurgiões de todo país e 27 convidados internacionais. O Congresso será precedido de um Simpósio no Hospital São José da Beneficência Portuguesa de São Paulo, onde será possível assistir ao vivo a realização desse tipo de cirurgia. O evento contará ainda com apresentação da técnica inédita de Tratamento Endoscópico de Estenose de Canal Lombar.
 
Para mais informações acesse http://www.cominco2014.com.br/index.php. 

Outras postagens

Rolar para cima