ABCVAC recebe suporte do SindHosp na busca de soluções para os problemas das clínicas privadas de vacinação

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Ciente das preocupações da Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC) frente a situação regulatória do setor, o SindHosp apresentou durante o primeiro dia do V Congresso Nacional das Clínicas de Vacinas, uma consolidada proposta para solucionar os gargalos da categoria.

Comunicação aberta entre o segmento versus agentes reguladores e a criação de um Grupo Técnico na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para discussão do setor foram as principais propostas do SindHosp.

As direções defendidas pelo sindicato orientam para a conquista de um espaço de diálogo entre o setor. “Também propomos a elaboração do regulamento uniforme nas exigências das fiscalizações municipais para corrigir distorções regulatórias nos diferentes serviços de vacinação. Eventualmente, pode surgir uma audiência pública para ampliar esta discussão e entendimento da sociedade”, argumentou Tacyra Valois, diretora de Relações Institucionais do SindHosp.

Tacyra explicou que estas ações visam garantir a segurança do paciente e das notificações de vacinação; a qualidade nos transportes, armazenamento e guarda dos imunizantes; o acompanhamento dos eventos adversos e a sustentabilidade dos serviços privados de vacinação.

Revisão da RDC 197/2017 foi apontada pelo SindHosp durante evento da ABCVAC

 Após examinar a regulação sobre os requisitos para o funcionamento dos serviços de vacinação humana, o SindHosp apontou gargalos na RDC 197/2017, justificou sua compreensão para as mudanças e apontou o órgão responsável a ser endereçado. Assim, a ABCVAC tem agora em mãos, concretas orientações para sanar as dificuldades do setor.

“Trabalhar em conjunto para a Saúde, no final é estar trabalhando para o paciente. Essa interlocução é muito bem-vinda e necessária, ainda mais em um assunto tão estruturante para o segmento. Os problemas estão definidos e ter essa abertura será um dos caminhos para sanar as dificuldades do setor e que refletem, consequentemente, na segurança do paciente, na sustentabilidade do sistema e na notificação correta para que se possa acompanhar possíveis eventos adversos”, explicou Carlos Goulart, diretor institucional da FEHOESP.

Acompanhe mais notícias sobre o setor na aba ‘Notícias.

Outras postagens

Rolar para cima