Comerciantes pedem validade do decreto que revogou ato da OIT

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) ajuizou no Supremo Tribunal Federal a Ação Declaratória de Constitucionalid

Compartilhar artigo

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) ajuizou no Supremo Tribunal Federal a Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) 39, que tem por objeto o Decreto 2.100/1996, no qual o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, comunicou a renúncia do Brasil ao cumprimento da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). O mesmo decreto é objeto da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 1625.
 
Ao contrário da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), que sustenta que o Decreto 2.100/1996 viola o artigo 49, inciso I da Constituição da República, a CNC defende que o mesmo dispositivo constitucional não se aplica à ratificação da Convenção 158.
 
Segundo a confederação, a norma da OIT disciplina relações de direito privado entre empregadores e empregados, enquanto o artigo 49, inciso I, define a competência exclusiva do Congresso Nacional para resolver definitivamente sobre tratados e convenções internacionais “que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional”.
 
Sustentando haver dependência lógica entre as duas ações, a CNC pede que a ADC 39 seja julgada em conjunto com a ADI 1625, relatada originalmente pelo ministro Maurício Corrêa, já falecido.
CF/CR
 
Obs.: A Convenção 158, da Organização Internacional do Trabalho, veda a dispensa arbitrária ou sem justa causa de empregados. Ela foi ratificada pelo Brasil e, posteriormente, o Decreto de ratificação foi revogado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso. 
 
Contudo, discute-se no processo se o Presidente da República tem poderes para revogar uma deliberação do Congresso Nacional, – a ratificação da Convenção 158 da OIT –  como ocorreu no presente caso. 
 
No STF tramita outra ação, Ação Declaratória de Inconstitucionalidade (ADI), proposta pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura que objetiva a declaração de inconstitucionalidade do ato presidencial que revogou o decreto de adesão à Convenção 158 e, assim, fazer prevalecer a validade dessa norma. 
 
A consequência prática para as empresas é a criação de barreira para a demissão de trabalhadores, salvo em casos específicos, como grave dificuldade financeira, amplamente demonstrada.
 
Esse tema é de grande relevância para as empresas, especialmente quando o País atravessa séria crise econômica e política, sem perspectiva de rápida solução.   

Artigos Relacionados...

Curta nossa página

Siga nas mídias sociais

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

plugins premium WordPress
Rolar para cima