FEHOESP mostra preocupação com PLs que afetam o setor

ALESP tem vários PLs dirigidos à saúde

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Assim como faz com os projetos de lei (PLs) que tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, a FEHOESP também acompanha a tramitação de PLs que afetam direta ou indiretamente o setor da saúde na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP). Neste mês de junho, a Federação manifestou preocupação com três deles, junto aos seus autores.

O primeiro, Projeto de Lei nº 137/2020, de autoria da deputada estadual Janaina Paschoal, que dispõe sobre a permanência de fisioterapeuta nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) adulto e pediátrico.

O segundo, Projeto de Lei nº 162/2020, de autoria de Isa Penna, que autoriza o Poder Executivo a intervir na rede privada de saúde para garantir atendimento a casos graves de Covid-19. E, por fim, o Projeto de Lei nº 248/2020, que tem como autor o deputado Professor Kenny, que cria a jornada de trabalho de 30 horas semanais aos enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares de enfermagem no Estado.

“Há um número exagerado de PLs nas três esferas do Legislativo nacional que afetam diretamente o setor de saúde e podem causar prejuízos ou até mesmo inviabilizar a atividade privada. Por isso, a FEHOESP e seus sindicatos filiados estão sempre atentos e agindo de forma preventiva, dialogando com os autores, câmaras e comissões técnicas para levar um pouco mais de conhecimento e dados sobre a nossa atividade econômica”, lembra o presidente da FEHOESP, Yussif Ali Mere Jr.

Outras postagens

Rolar para cima