Hospitais pedem suspensão da cobrança de ISS pelas prefeituras

SINDHOSP solicita em ofício que medidas sejam tomadas

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Imagem: Pixabay 

O SINDHOSP (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo), que representa 45 mil estabelecimentos de saúde particulares no Estado, está solicitando em ofício a várias prefeituras a suspensão do pagamento do ISS. O motivo é que houve uma enorme redução nas atividades de clínicas médicas, laboratórios, hospitais de especialidades, dentre outras desenvolvidas na área de saúde, o que inviabilizou o giro econômico dos serviços de saúde.

Segundo o presidente do SINDHOSP, o médico Yussif Ali Mere Jr, a suspensão do pagamento do ISS, que varia de 2% a 5% do valor da nota fiscal de serviço, dependendo do município, ajudará os serviços de saúde a suportarem os atuais compromissos, assegurando-se recurso para pagamento da folha de salários, o que será fundamental para a manutenção dos empregos e da sobrevivência dos trabalhadores do setor. 

Estão sendo enviados ofícios aos prefeitos de São Paulo e dos municípios de Bauru, Campinas, Sorocaba, região do ABC, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Mogi das Cruzes, Ribeirão Preto, Presidente Prudente, Jundiaí e Suzano. 

Outro pleito do setor é assegurar aos trabalhadores do setor de saúde preferência no transporte público para que se garanta a presença na troca de plantões, o que é importante para o bom atendimento dos pacientes. 

Falta de insumos 
A falta de equipamentos de proteção e insumos para serviços de saúde continua crítica, contudo, sob controle, ao menos na rede privada. Importadoras e empresas nacionais estão agindo rapidamente e abastecendo o mercado. No entanto, os preços dos principais insumos aumentaram entre 100% a 300% nas últimas semanas por conta da demanda. 

Na região de Presidente Prudente, o SINDHOSP apurou denúncia de falta de kits de testes para COVID19, o que vem prejudicando o diagnóstico. Para resolver a questão do abastecimento, a FEHOESP e o SINDHOSP disponibilizam informação sobre uma ferramenta gratuita de compra onde o serviço de saúde pode comparar preços, estoque e condições de compra de inúmeros fornecedores em todo o país, o que facilita o processo de aquisição de insumos. 

O Estado, por sua vez, tomou duas decisões importantes: uma no sentido de facilitar a entrada de produtos ou equipamentos importados e outra de bloquear as exportações de produtos e equipamentos produzidos por aqui, garantindo assim o abastecimento interno.

Os ofícios estão sendo enviados para várias prefeituras. Veja o documento enviado para a administração de CAMPINAS. 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da FEHOESP/SINDHOSP. 

Outras postagens

Rolar para cima