LGPD na Prática reúne 500 profissionais para atualizações da normativa

Quatro dias de debates e discussões que englobaram temas como: implantação, qualidade dos sistemas na saúde suplementar, gestão de dados e a gestão de pessoas.

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Quatro dias de debates, envolvendo mais de 500 profissionais do setor da Saúde, e discussões que englobaram temas como: implantação, qualidade dos sistemas na saúde suplementar, gestão de dados e a gestão de pessoas. Este foi o balanço das mais recentes edições do “LGPD na Prática”, evento promovido e idealizado pelo SindHosp. Acompanhe o que de mais relevante foi dito abaixo e programe-se para nosso próximo encontro, dia 27/10, das 15h às 16h30, com Ivan Abreu Paiva, da FLOWTI Tecnologia, empresa especialista em infraestrutura para ambientes de missão crítica.

Participe conosco

Assista ao evento na íntegra

 

1º Dia: Implantação da LGPD

O primeiro dia do evento LGPD na Prática trouxe os principais elementos para a estruturação da Lei nos serviços de Saúde e contou com a participação do advogado Lucas Magalhães, do escritório Machado Nunes. Embora o setor esteja habituado ao sigilo médico, muitas condutas e regulamentações são necessárias para a garantia da privacidade e proteção de dados dos pacientes. Para que a organização tenha sucesso no tratamento das informações, deve elaborar o seu próprio programa de privacidade, fundamentado no que a LGPD prevê. Essa foi uma das colocações apresentadas pelo palestrante. Quer saber mais sobre esse assunto? Aprenda com as dúvidas do público, respondidas durante o evento, ou reveja o vídeo da transmissão.

Assista a transmissão!

Confira as questões respondidas após o evento!

 

2º Dia: LGPD e a Qualidade dos Sistemas na Saúde Suplementar

Um levantamento realizado pela IBM analisa o custo do vazamento da informação por segmento. Dentre os setores, a Saúde é a que mais apresenta prejuízo para as organizações, o que demonstra o volume e responsabilidade da área no tratamento de dados sensíveis. É o que introduz a fala do presidente da SBIS (Sociedade Brasileira de Informática em Saúde), Gustavo Kiatake, que dialoga neste segundo dia da LGPD na Prática sobre a qualidade dos sistemas na Saúde Suplementar. Embora o receio de muitas organizações seja o vazamento de dados por agentes internos, uma pesquisa da Breach Barometer do Protenus indica que 62% dos acidentes na Saúde foram provenientes por ataques cibernéticos, o que alerta para a necessidade da implementação de ferramentas de boa qualidade e manipulação de forma adequada nos serviços de Saúde.

Acompanhe a transmissão!

Fique por dentro das questões respondidas após o evento!

 

3º Dia: LGPD e a Gestão de Pessoas

A implementação da LGPD nos serviços de Saúde requer além de sistemas de tecnologia e processos internos, treinamento e investimento em capital humano. O advogado Lucas Bonafé, do escritório Machado Nunes, apresentou neste terceiro dia da LGPD na Prática que as próprias equipes devem ser capazes de aumentar e manter o nível de segurança nas organizações. Para que isso seja possível, investir nas pessoas é primordial. No dia a dia, são elas que alteram de fato a segurança da informação e o uso consciente dos dados pessoais dos terceiros e dos próprios colaboradores. Assim, os processos internos tendem a se desenvolver com mais segurança, com avaliação de riscos e mapeamento das informações a partir do conhecimento do compliance interno e externo.

Reveja a transmissão!

Relembre as perguntas respondidas!

          

4º Dia: Gestão de Dados com a LGPD

As novas tecnologias, sistemas e plataformas nos conduziram para um cenário digital integrado, mesmo no modo offline. Ambientados a esse modelo, nos habituamos a gerar, em tempo real, um grande volume de dados. Para pensar na organização dessas informações, o diretor de novos negócios na PH3A, Marcelo Nogueira, dialoga neste quarto dia do LGPD na Prática sobre o papel dos dados internos e externos nos negócios e, consequentemente, os cuidados que devem ser adotados. A privacidade dos dados dos titulares não existe sem proteção, por isso, camadas de segurança são necessárias para compor o processo nas organizações. Inicialmente, devemos pensar nos pilares de utilização, tratamento, processos e dados, para iniciarmos a adequação dos nossos serviços de Saúde à normativa.

Outras postagens

Rolar para cima