Tecnologia auxilia no engajamento do paciente

Tema foi debatido pela Abimed na Hospitalar

Compartilhe este conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Prestar um atendimento de qualidade com base na experiência do paciente é uma realidade que todas as instituições de saúde pretendem alcançar. E a tecnologia pode contribuir para aumentar o acesso à assistência médica, melhorar a adesão aos tratamentos e proporcionar ao usuário autonomia sobre sua saúde e mais qualidade de vida.

Esta foi análise dos especialistas que participaram do debate promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos (Abimed), na tarde desta terça-feira (22), na 26ª Hospitalar.

“A tecnologia é perecível e as necessidades do paciente são perenes. Por isso, a tecnologia só faz sentido quando é integrada à jornada do paciente de forma que a torne mais fluida”, afirmou Scott Whitaker, CEO da AdvaMed, de Washington (EUA).

“Normalmente os pacientes ficam mais satisfeitos quando se sentem participantes ativos no atendimento, recebendo mais informações sobre o seu diagnóstico e o acesso ao tratamento e aos remédios”, comentou Lívia Cunha, fundadora da Cuco Health – startup responsável pelo desenvolvimento de um aplicativo para ajudar os pacientes na adesão ao tratamento.

Para o presidente do Hospital Albert Einstein, Sidney Klajner, a tecnologia tem de estar integrada ao paciente, ser capaz de personalizar sua experiência do paciente. “Nos últimos anos, hospitais têm se tornado cada vez mais adaptativos e inovadores, investindo em tecnologias e contribuindo para a eficiência dos procedimentos médicos. Estes recursos agregam valor ao paciente, melhoram o desempenho dos serviços de saúde e trazem impacto positivo para o desenvolvimento econômico do setor”, afirmou, reiterando que o futuro é a mudança no modelo atual hospitalocêntrico para assistência personalizada fora do hospital. “A inovação tecnológica vai proporcionar uma mudança nos papéis do médico e do paciente, e o hospital será para atendimentos de alta complexidade. Essa é a próxima fronteira que iremos cruzar.”

 

Por Fabiane de Sá

Outras postagens

Rolar para cima