As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo país, angariando água potável, roupas, alimentos, remédios, produtos de limpeza e recursos financeiros. Alguns se tornam voluntários, prestando ajuda humanitária in loco. Lamentavelmente, enquanto alguns arregaçam as mangas, muitos, sentados nos sofás confortáveis de seus lares, espalham notícias falsas pelas redes sociais, dificultando esse trabalho. Em uma missão, chamada “Querência Amada”, o SindHosp, a Viveo e os hospitais do Coração (HCor) e Osvaldo Cruz angariaram mais de 80 toneladas de produtos em prol do povo gaúcho. Como sempre, temos o livre arbítrio de decidir de que lado desejamos estar.

O fato é que nossas decisões pessoais, profissionais e políticas têm impacto direto sobre o sistema e a saúde das pessoas. As tristes enchentes no RS são consequência direta de uma das maiores ameaças à saúde global do século XXI, que são as mudanças climáticas. Desde 1950, o número de enchentes ao redor do mundo aumentou 15 vezes, eventos de temperaturas extremas aumentaram 20 vezes e os incêndios se tornaram sete vezes mais frequentes. Alguns podem estar se questionando: o que isso tem a ver com a saúde?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 2030 e 2050, as mudanças climáticas devem causar aproximadamente 250 mil mortes adicionais por ano, provocadas principalmente por desnutrição, malária, diarreia, hepatite A, leptospirose e outras doenças infecciosas. Isso sem contar a insegurança alimentar, que tem impacto direto sobre a qualidade de vida, e as consequências para a saúde mental, com o aumento de distúrbios como ansiedade e depressão.

Como profissionais e lideranças do setor temos o compromisso ético de falar sobre o assunto e conclamar que os governos assumam suas responsabilidades e adotem medidas, por exemplo, que melhorem o uso do solo, reduzam a pobreza, estabeleçam códigos de construção mais consistentes e sustentáveis e protejam os ecossistemas. Recentemente, a Organização das Nações Unidas (ONU) fez outro alerta, lembrando que o desmatamento tem reflexo direto também no surgimento de novas pandemias.

Precisamos entender, definitivamente, que é dever de cada um de nós cuidar de nosso planeta e exigir que esse cuidado encontre eco nas leis e fiscalizações, poupando vidas e recursos financeiros. Somente assim conseguiremos minimizar os efeitos das mudanças climáticas e planejar a construção de um futuro mais sustentável.

Francisco Balestrin

Presidente do SindHop

Artigo publicado na edição de maio/2024 da revista Labor News. Clique aqui e leia a publicação na ínregra