conscientização

dia mundial do diabetes

Dia Mundial do Diabetes promove acesso a um tratamento de qualidade

Com o número de pessoas com Diabetes no mundo beirando os 600 milhões, a alta taxa de mortalidade por complicações e população cada vez mais longeva, ponto de atenção quando se fala em uma doença severa com os idosos, a A.D.M.D 2022, maior campanha mundial de prevenção ao Diabetes, mantêm o foco no acesso aos cuidados que a doença solicita e na educação e esclarecimentos da população: “Educar para Proteger o Futuro”.

Esse tão necessário acesso, divisor de águas na vida da pessoa com diabetes, é o tema oficial do Dia Mundial do Diabetes 2021-2023, datado em 14 de novembro, em homenagem ao aniversariante Sir Frederick Banting, médico que co-descobriu a insulina junto com Charles Bes, há 100 anos.

Atualmente, uma a cada dez pessoas no mundo vive com a doença, milhões delas não têm acesso aos cuidados adequados ou apoio contínuo para gerenciar a condição e tomar decisões informadas. 

É nesse contexto que a campanha A.D.M.D atua, visando ser um “guia global para promover a importância de realizar ações coordenadas e concentradas para enfrentar o Diabetes como um problema crítico de saúde global”, e assim ela propaga a mensagem de que não há mais tempo para esperar por recursos básicos e tolerar a falta de medicamentos, tecnologias e investimentos do governo para prevenção da doença e amparo aos pacientes que já convivem com ela.

Dados do Atlas de Diabetes da IDF

O Atlas de Diabetes da IDF disponibilizou os seguintes dados atualizados, que expõem um panorama da doença no mundo:

  • 537 milhões de adultos (1 em cada 10) viviam com Diabetes em 2021 
  • Espera-se que esse número aumente para 643 milhões em 2030 e 783 milhões em 2045 
  • Quase 1 em cada 2 adultos (44%) com Diabetes permanece sem diagnóstico (240 milhões) 
  • A maioria tem Diabetes tipo 2, que é amplamente evitável com um estilo de vida saudável.
  • Mais de três em cada quatro pessoas com Diabetes vivem em países de baixa e média renda 
  • 541 milhões de adultos estão em risco aumentado de desenvolver Diabetes tipo 2 
  • Mais de 1,2 milhão de crianças e adolescentes (0-19 anos) vivem com Diabetes tipo 1
  • O Diabetes causou 6,7 milhões de mortes em 2021 
  • O Diabetes foi responsável por pelo menos US$ 966 bilhões em gastos com saúde em 2021 – 9% do total global gasto em saúde 
  • 1 em cada 6 nascidos vivos (21 milhões) são afetados por níveis elevados de glicose no sangue (hiperglicemia), durante a gravidez. 

Números que servem de alerta para a população, governo, entidades representativas e mídia: o Diabetes precisa ser discutido por todos, nas escolas, nas ruas e no ambiente familiar, pois o saber salva vidas.

Os sistemas de saúde, por sua vez, precisam estar preparados para atender a alta demanda ocasionada pelo Diabetes, e proporcionar o máximo em qualidade de vida, mas mais que isso, preveni-la com políticas que eduquem as pessoas, incentivem e possibilitem a adoção de um estilo de vida saudável, com alimentação de qualidade e atividade física na rotina.

Cursos de atualização em Diabetes

Em auxílio aos profissionais da saúde, a IDF School of Diabetes (IDF Escola de Diabetes) desenvolveu uma plataforma de educação online e disponibilizou diversos cursos de atualização sobre o gerenciamento e tratamento do Diabetes; todos eles credenciados pelo Conselho Europeu de Acreditação para Educação Médica Continuada (EACCME). Confira a listagem:

  • Diabetes e doenças cardiovasculares
  • Diabetes e Ramadã 
  • Retinopatia diabética 
  • Tratamento do Edema Macular Diabético (EMD)
  • Prevenção do Diabetes tipo 2
  • O papel do educador em Diabetes

Durante o Congresso Mundial de Diabetes, a IDF dispõe também de um fórum para troca de conhecimento, reunindo profissionais de saúde de todo o mundo, defensores da causa e pessoas que têm Diabetes. A próxima edição do evento será virtual, em Lisboa, de 5 a 8 de dezembro de 2022. 

Acesso ao tratamento da Diabetes

Ter Diabetes pode trazer altos custos às pessoas e aos seus familiares, o custo da insulina e o monitoramento diário podem assumir 50% da renda média da família. “O acesso regular e acessível a medicamentos essenciais para Diabetes está fora do alcance de muitos”. 

Conforme informa a Associação Nacional de Atenção ao Diabetes (ANAD), “melhorar esse acesso a medicamentos e cuidados de Diabetes, com preços acessíveis é, portanto, urgente para evitar o aumento dos custos para o indivíduo e a família, que afetam os resultados de saúde”.

A educação protege

Segundo a Associação, o número crescente de pessoas acometidas por Diabetes está sobrecarregando os sistemas de saúde. 

O que indica a necessidade de profissionais da saúde cada vez mais capacitados para realizar o diagnóstico precoce e que os seus pacientes sejam orientados, a ponto de terem plena ciência da sua condição, “de modo a realizar o autocuidado diário para se manterem saudáveis e evitarem complicações.” 

Ajude a propagar a informação! Compartilhe o link deste texto em suas redes sociais e promova o acesso ao tratamento do Diabetes.

Doação de órgãos

Hospital Estadual Mário Covas: um case na captação de órgãos

O SindHosp está apoiando a mobilização nacional Setembro Verde, uma campanha que incentiva a doação de órgãos por todo País.

Para falar sobre o assunto, convidou o Hospital Estadual Mário Covas, de Santo André.

De fato, a instituição é um de seus contribuintes que tem apresentado grandes resultados com a captação de órgãos.

A princípio, o Hospital realiza esse trabalho com o apoio da Organização de Procura de Órgãos (OPO) do Instituto Dante Pazzanese desde 2016.

Em média, o Hospital destina 68 órgãos doados por ano em protocolos de morte encefálica e captação geral.

O principal resultado desse trabalho impacta diretamente na fila de transplante.

Diminuindo, assim, a espera de centenas de pessoas que aguardam por um novo órgão para viver mais e melhor.

Segundo o gerente de Qualidade e Processos do Hospital, Rodrigo Brolo, a instituição já auxiliou 345 pacientes a deixarem a fila de transplante nos últimos quatro anos.

As principais doações são de córneas, rins e fígado. Os dois últimos, vitais para o corpo humano.

Hospital é premiado pelo trabalho

Nesse mês em que o País concentra centenas de iniciativas para a conscientização da importância da doação de órgãos, o Hospital Estadual Mário Covas foi premiado por esse contínuo trabalho.

O Hospital é uma das 10 instituições do Estado que mais notificam as ocorrências de morte encefálica.

Essa prática é fundamental para o protocolo que envolve a retirada e transplante de órgãos.

A premiação ‘Amigo do Transplante 2022’ foi entregue por Jean Gorinchteyn, secretário estadual de Saúde de São Paulo.

Da esquerda para a direita, receberam a premiação o diretor técnico do Hospital, Alexandre Cruz Henriques; o diretor geral, Adilson Cavalcante e a enfermeira, Simone Contardi Barros

O prêmio é uma conquista do Hospital pela segunda vez.

O SindHosp parabeniza todos os profissionais que se dedicam na missão de contribuir para a continuidade da vida.

Passo a passo da captação de órgãos no Hospital

Para garantir uma estrutura adequada, o Hospital formou uma Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), composta por profissionais multidisciplinares.

O grupo realiza a avaliação do potencial doador desde o momento da suspensão dos sedativos.

Em seguida, confere o histórico do prontuário do paciente e encaminha todas as informações necessárias para a OPO Dante Pazzanese.

Se o caso for aceito como positivo, é ofertado para a lista de espera de transplantes.

Depois, o Instituto encaminha o órgão para os exames clínicos.

Em paralelo, a enfermeira da CIHDOTT acompanha os testes realizados pelos médicos, até que o protocolo seja realizado.

Com a aprovação dessa fase, os familiares são entrevistados pelos profissionais da Comissão Intra Hospitalar, a fim de explicar todas as etapas do processo.

“Conversamos com a família sempre com muito acolhimento, esclarecendo dúvidas com a presença da equipe médica até a decisão pela doação”, explica o gerente de Qualidade e Processos, Rodrigo Brolo.

Na perspectiva dos colaboradores do Hospital, a doação de órgãos é uma escolha que salva vidas.

Por isso, os profissionais se empenham em identificar possíveis doadores e reconhecem, na prática, a importância desse solidário gesto.

Outras iniciativas pela vida e as últimas atualizações sobre o setor da Saúde, você encontra na aba ‘Notícias‘ e nas redes sociais do SindHosp.

Scroll to Top